Como otimizar a gestão fiscal da sua empresa?
Como otimizar a gestão fiscal da sua empresa?
postado por Confidence IT 29 de março 2017

As inúmeras obrigações impostas pelo Fisco brasileiro podem tornar a administração de uma empresa uma tarefa muito difícil. Para evitar maiores dificuldades, existem inúmeras práticas que ajudam a otimizar a gestão fiscal de um negócio, reduzindo os riscos de ocorrer qualquer autuação por parte da Receita Federal. Preparamos esse post recheado de dicas para que você veja se está efetuando uma gestão otimizada!

Utilizar produtos e serviços com tecnologia de ponta

A primeira dica é a mais importante de todas, porque, ao colocá-la em prática, o gestor conseguirá executar todas as demais ações com maior facilidade e em menos tempo. Por isso, antes de mais nada, invista na automação do seu negócio, adquirindo produtos e serviços tecnológicos que contribuirão para que sua empresa se mantenha mais competitiva no mercado.

Considerando os processos fiscais internos e externos necessários para uma boa gestão, a tecnologia deve agregar valor às operações realizadas. Citamos alguns exemplos de soluções tecnológicas que você pode adotar:

  • Solução fiscal em nuvem: une todas as informações em um só lugar e se integra a todos os sistemas. É capaz de agregar os dados do SPED (Fiscal, Contábil, Bloco K), EFD, ECF, CIAP, DIRF, impostos retidos, obrigações fiscais, notas fiscais eletrônicas, dentre outros.
  • Sistemas de ERP (Enterprise Resource Planning): integra os sistemas de todos os fiscos, aumentando o controle de informações.
  • Inteligência fiscal: motor de cálculo que opera dentro das regras fiscais brasileiras.

Ao adotar a tecnologia, é importante contar com especialistas em processar e atender as obrigações fiscais e contábeis, que cuidarão da burocracia, enquanto sua equipe foca no crescimento de sua empresa.

Ter um bom planejamento fiscal e tributário

Planejar é fundamental para qualquer gestão. Dentro da área fiscal e tributária de uma empresa, porém, muitas pessoas ainda cometem erros ao realizá-lo. Para que isso não aconteça, é preciso ter em mente os encargos fiscais habituais do negócio, bem como a criação de reservas para emergências. E não só isso! A saúde financeira do seu empreendimento depende de atitudes como:

  • Analisar os dados da empresa que dão base a um bom planejamento: histórico, expectativa de faturamento ou receita bruta, despesas operacionais e com pessoal e margem de lucro;
  • Definir o regime de tributação que melhor se adequa ao negócio, o que influencia diretamente no montante das obrigações fiscais;
  • Avaliar se há isenções ou incentivos fiscais, bem como créditos a serem aproveitados.

Essas práticas reduzem os custos do negócio e contribuem para evitar autuações fiscais, aumentando a competitividade.

Controlar ações internas e externas

O passo seguinte de um bom planejamento é efetuar um controle das ações, que é auxiliado pelas soluções tecnológicas, como os dados armazenados na nuvem, integrados com sistemas como o ERP. Para se ter processos e sistemas internos eficientes, é preciso incutir em todos os colaboradores a importância de documentar e avaliar todas ações para que o controle seja feito.

Quando funcionários e gestores tornam-se cientes da importância de adotar tal prática, tem-se maior controle ao recolher e emitir notas fiscais e ao indicar corretamente os tributos na compra e venda (ICMS, IPI, ISS, PIS e Cofins, principalmente, por não serem cumulativos), por exemplo.

Além disso, o controle é uma importante etapa do planejamento estratégico, pois, a partir dele, é possível reduzir a incidência de erros, o que contribui para uma melhor avaliação (última etapa do planejamento).

Efetuar auditorias e consultorias

A complexidade da legislação brasileira, bem como sua mutação constante, faz com que os gestores tenham que se desdobrar para cumprir corretamente as obrigações fiscais. Algumas alterações legais podem, inclusive, interferir nos regimes tributários, além de modificar alíquotas de impostos. Com isso, torna-se mais fácil cometer erros.

Para evita-los, além da adoção da tecnologia (principalmente a inteligência fiscal, que possui as normas legais atualizadas), do planejamento e do controle, é preciso pensar em contratar uma empresa ou um profissional para realizar uma auditoria ou uma consultoria. Por meio delas, o responsáveis conseguem apontar:

  • Se o negócio adota as melhores práticas do mercado e se elas funcionam, tomando como base a atividade realizada;
  • Se há falhas nos processos adotados e nos sistemas internos;
  • O melhor e menos oneroso caminho a se seguir, considerando as particularidades da empresa.

Otimizar a gestão fiscal de uma empresa é prezar por uma melhor colocação no mercado, uma vez que contribuem para aumentar a competitividade do negócio. Coloque em prática nossas 4 dicas, começando pela adoção da tecnologia. Conheça as melhores soluções tecnológicas que reduzirão o custo de conformidade fiscal!

 
   
 
Entre em contato com nossa equipe(011) 3522-3131ou preencha nosso formulário que entramos em contato. Clique aqui
 
 
 
shares