Como a falta de capacidade de entrega das obrigações fiscais está atrapalhando o seu negócio
Como a falta de capacidade de entrega das obrigações fiscais está atrapalhando o seu negócio
postado por CONFIDENCE IT 6 de abril 2017

A entrega de obrigações fiscais de maneira correta e em tempo hábil é um desafio para os gestores. O volume de informações a ser gerido é enorme, e o Fisco, de quando em quando, cria uma nova obrigação acessória, aumentando esse volume – e a dor de cabeça do administrador.

O gestor sem capacidade de entregar as obrigações no prazo correto, seja pelo motivo que for, atrapalha seu próprio negócio. Falamos sobre isso no texto de hoje e deixamos algumas dicas para que você tenha controle da gestão fiscal da empresa.

Autuações fiscais: a principal consequência na falha de entrega das obrigações fiscais

A complexa legislação brasileira e sua constante mutação demandam atenção e cuidado dos gestores, para que ocorra o cumprimento correto das obrigações fiscais. As alterações legais interferem nos regimes tributários, modificam alíquotas de impostos, introduzem novas obrigações acessórias, e tudo isso torna maior a possibilidade de erros.

Se o gestor não se planejar e controlar todas as informações fiscais, a possibilidade de falhar na entrega das obrigações fiscais cresce muito, e, com as falhas, vem o risco de autuações e de multas por atraso na entrega ou por erro de dados.

Multas

Multas e demais penalidades, quando falamos de área fiscal e tributária, decorrem basicamente do descontrole das informações e da má gestão de um banco de dados das transações do negócio. Sem uma administração eficiente nesse quesito, torna-se muito difícil cumprir as obrigações fiscais, principalmente as acessórias (que são inúmeras), impostas pelo Fisco.

Algumas práticas ruins, motivadoras das sanções, são as informações incorretas, os dados esparsos e as perdas de prazo. Não raras vezes, as empresas são multadas em mais de R$500 mil por não entregarem os arquivos digitais de suas operações. Algumas penalidades podem, inclusive, inviabilizar o andamento dos negócios.

Queda na competitividade

A decorrência natural no maior número de autuações fiscais, principalmente de multas vultuosas, é a queda na competitividade da empresa dentro do mercado de sua atividade econômica.

Em primeiro lugar, porque demonstra uma administração falha, fruto de erros internos de toda a equipe por ela responsável. Em segundo lugar, porque o impacto financeiro que as multas causam na saúde da empresa é grande, e os recursos que poderiam ser destinados ao seu crescimento são readequados para o pagamento das sanções.

Como ter capacidade de entrega das obrigações fiscais?

Quando nos deparamos com um número alto de informações e de obrigações fiscais, devemos buscar soluções que otimizam a gestão fiscal do negócio. Essas soluções passam pela necessidade de gerir um banco de dados: a empresa precisa compreender que a informação tem um papel estratégico na administração do negócio, e, por isso, deve ser gerenciada e planejada como um recurso corporativo.

Muitas práticas, quando combinadas, fazem a gestão da informação e reduzem os riscos de autuação por parte da Receita Federal, por contribuírem com a entrega das obrigações fiscais dentro do prazo. Veja algumas delas!

Utilizando tecnologia de ponta

A tecnologia é nossa grande aliada para economizar tempo. A automação do negócio, além de facilitar a consecução das obrigações, deixa a empresa mais competitiva no mercado.

Algumas soluções tecnológicas que podem ser adotadas para entregar as obrigações fiscais são a inteligência fiscal (motor de cálculo que opera dentro das regras fiscais brasileiras) e os sistemas de ERP (integram os sistemas de todos os fiscos, aumentando o controle de informações e gerando relatórios detalhados sobre qualquer aspecto empresarial).

Em especial, a solução fiscal em nuvem é de extrema importância. Ela reúne todas as informações em um só lugar e se integra a todos os sistemas. É capaz de agregar os dados do SPED (Fiscal, Contábil, Bloco K), EFD, ECF, CIAP, DIRF, impostos retidos, obrigações fiscais, notas fiscais eletrônicas, dentre outros.

Fazendo planejamento fiscal e tributário

Planejar dentro da área fiscal e tributária é ter em mente, a princípio, os encargos fiscais habituais do negócio, bem como a criação de reservas para emergências. Mas a saúde financeira do seu empreendimento depende de outras atitudes que integram um bom plano, que reduzirão os custos e contribuirão para evitar autuações fiscais.

Três práticas integram o escopo de um planejamento fiscal e tributário: análise dos dados da empresa, definição do regime de tributação mais adequado e avaliação de isenções, créditos e incentivos fiscais.

Por fim, todo planejamento demanda controle de ações internas e externas, o que pode ser facilitado com as soluções tecnológicas. Na prática, por exemplo, torna-se mais fácil efetuar o recolhimento e a emissão de notas fiscais, além da indicação correta dos tributos na compra e venda (ICMS, IPI, ISS, PIS e Cofins, principalmente, por não serem cumulativos).

A capacidade de entrega das obrigações fiscais está intimamente conectada à adoção de boas práticas de administração, principalmente a utilização de soluções tecnológicas. Invista em tecnologia e evite as falhas e as autuações.

Qualquer dúvida, deixe seu comentário para a gente!

 
   
 
Entre em contato com nossa equipe(011) 3522-3131ou preencha nosso formulário que entramos em contato. Clique aqui
 
 
 
shares